domingo, 14 de novembro de 2010

ARTIGO NO JORNAL VIDAQUI

DEFESA PESSOAL
Um método completo


Criado e difundido pelo professor Luciano Imoto, o Método Imoto é uma síntese de muitas artes marciais. Para chegar a este estágio, o professor acumulou experiências de mais de 20 anos na prática de diversas lutas. Passou 10 anos compilando e estudando todas elas até chegar a uma metodologia que unisse autoproteção e condicionamento físico.

Segundo o professor, tudo começou como uma recodificação do aikido à luz da evolução das artes marciais em geral. O seu método é derivado de uma fusão de aikido, tai chi chuan, chuteboxe e yoga. “Como alguns movimentos de muitas artes marciais se repetem, me concentrei nestas quatro artes”, explica. Com relação ao yoga e chi kung, ele explica que sua proposta não é só de luta, mas também de focar a saúde, com o corpo e mente em sintonia.

Segundo Imoto, o objetivo é educar o instinto. “O movimento deve ser natural, sem nada para atrapalhar o reflexo. Por isso, procuramos desenvolver a consciência corporal para transformá-la em marcial”, ensina. O Método Imoto é de rápida aprendizagem para quem já possui esta consciência.

Imoto faz questão de frisar que sua metodologia não é uma arte marcial, mas sim uma nova alternativa de defesa pessoal e de condicionamento físico, que o praticante adquire em decorrência da prática de movimentos de luta e outros exercícios. O professor diz que defesa pessoal é mais do que se defender de uma eventual agressão. É, por exemplo, aprender a reduzir danos ao corpo em caso de quedas e acidentes.

Segundo o professor, os melhores e mais confiáveis padrões de movimento são aqueles que a evolução inseriu ao longo de milhares de anos em nosso código genético. “Por isso, a maior dificuldade é resgatar o seu estado natural para usá-lo numa situação de emergência. Isto exige uma metodologia capaz de vencer os obstáculos físicos e culturais impostos ao nosso corpo e quebrar as barreiras dos condicionamentos que nos impedem de manifestar todo o nosso potencial no dia-a-dia. E este conhecimento estava reservado exclusivamente a uma elite até alguns anos atrás”, afirma.

O professor afirma que seu método está em constante evolução, inclusive com elementos da medicina esportiva. "O praticante não fica grande e excessivamente musculoso, o que seria antinatural. Ele fica compacto e mais rápido."
O Método não faz distinção de sexo nem idade. Muitas mulheres procuram a academia para aprender a se defender, entrar em forma e se sentir mais autoconfiante. As aulas acontecem de segunda a sábado, nos três períodos. O mínimo de aulas recomendado é duas vezes por semana, mas o aluno pode optar por três ou quatro vezes, que é o ideal.

Nenhum comentário: