terça-feira, 21 de dezembro de 2010

NEUROCIÊNCIA APLICADA NA AUTODEFESA


As trajetórias corticais e subcorticais no cérebro – generalizadas a partir de nosso conhecimento do sistema auditivo – podem acarretar uma resposta de medo diante de uma cobra em uma trilha. Os estímulos visuais são processados primeiro pelo tálamo, o qual passa bruscamente e diretamente, quase de forma arquetípica, a informação para a amídala (em vermelho). Esta transmissão rápida facilita ao cérebro iniciar uma resposta para a possibilidade de perigo (em verde). Enquanto isso o córtex visual também recebe a informação vinda do tálamo e, com mais sofisticação perceptiva e tempo para processá-la, determina que há uma cobra em seu caminho (em azul). Esta informação é retransmitida para a amídala, causando uma aceleração nos batimentos cardíacos e na pressão sanguínea afim de favorecer a contração e o movimento dos músculos. Se, porém, o córtex tivesse determinado que o objeto não era uma cobra, a messagem para a amídala aliviaria a resposta instintiva de medo.”

Emoção, Memória e o Cérebro
As rotas neurais delineando a formação
de memórias sobre as experiências emocionas
primitivas tais como o medo estão sendo traçadas
Por Joseph E. LeDoux, autor de O Cérebro Emocional
Scientific American, junho de 1994

Nenhum comentário: