segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

A PROFISSÃO DO FUTURO


Por aproximadamente 150 mil anos o Homem viveu exclusivamente da caça e da coleta.

Então, nos últimos 10 mil anos uma pequena parcela da humanidade civilizou-se, isto é, deixou de ser tribal para morar em aldeias, vilas e cidades, e passou a depender do seu trabalho na agricultura (vide Revolução Agrícola).
E há uns 200 anos a manufatura foi crescendo junto com as populações nos grandes impérios até suprimir grande parte da mão-de-obra no campo graças à Revolução Industrial.
E desde os anos 1960, com o advento dos computadores e a sua Revolução Digital, a área de prestação de serviços está assumindo a liderança vendendo informações e assistência técnica aos produtos industrializados (e não mais manufaturados).
Logo, de caçador-coletor passamos para agricultor e artesão e chegamos no século XXI como prestadores de serviço, seja na construção civil, no funcionalismo público ou na programação de sofisticados sistemas eletrônicos.

Qual será a próxima onda de trabalho?

Não posso prever com exatidão, mas baseado nas observações de economistas e ecologistas, a "profissão do futuro" será em um outro ambiente. Neste novo mundo o cultivo de habilidades do corpo e da mente serão predominantes.
E vitais.
Depois das três revoluções anteriores chegaremos à Revolução do Corpo que significará um caminho de evolução para este organismo sobreviver e se adaptar às mudanças em seu habitat.
Para se conquistar estas habilidades corporais os profissionais das diversas terapias, em especial dos esportes e das artes marciais, serão amplamente requisitados.
Com o auxílio de rigorosas metodologias científicas e do implemento da tecnologia direcionada quase totalmente para benefício e segurança do corpo, as profissões do futuro exigirão conhecimento cada vez mais especializado nesta área.

E a demanda irá superar a oferta.
Estas são as leis do mercado e para onde elas estão nos levando.

Aos jovens de hoje aconselho refletirem sobre esta possibilidade e se preparem, ou seja, se capacitarem para evitar o ócio (desemprego). Na China e outros países um MBA ou um Doutorado já não são garantias de contratação. Afinal já são 7 bilhões de habitantes neste planeta e a economia global, quero dizer, o Show não pode parar...

Nenhum comentário: