quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

OS 3 TIPOS DE VIOLÊNCIA


Antes é preciso corrigir: não existe violência, mas sim PESSOAS VIOLENTAS.
"Violência" é aquilo que um sujeito violento faz.

A VIOLÊNCIA ANTISSOCIAL
O primeiro tipo é o mais comum. São os CRIMINOSOS que podem ou não causar danos graves ou mortes. É o marido que espanca a esposa. O assaltante que fere com coronhadas para se impor à vítima. É o garoto que comete bullying para ganhar respeito na escola. É o motorista que se altera no trânsito e usa seu automóvel como arma. É a enfermeira frustrada que desconta sua raiva nos pacientes. É o policial que comete abusos usando a autoridade da farda...
São muitos os exemplos deste tipo de violência. Desigualdade social, drogas e álcool são meros comburentes e legalmente não justificam tal comportamento. Apenas agravam suas consequências. Aqui trata-se da violência tipicamente humana presente em todas as sociedades. Religiosos, cientistas, filósofos, artistas, militares e políticos tentam há milênios controlá-la, sem resultados satisfatórios...

A VIOLÊNCIA ESPORTIVA
Mesmo sendo um reflexo da violência antissocial, até certo ponto é tolerada e popularmente motivada entre os cidadãos. Costuma servir de catarse, de válvula de escape para aliviar o estresse da rotina e manter a ordem pública.
Muitos esportes violentos ajudam a canalizar a agressão instintiva e socialmente cultivada do indivíduo, quase sempre jovens, e a transfere com segurança para um ambiente controlado, seja nas pistas de corrida, nos estádios ou nos ringues e academias.
Normalmente vinculada à Educação, a violência esportiva é meritocrática e recompensa os mais "competitivos", dando-lhes um lugar de destaque na sua área de atuação. São celebridades maiores ou menores espalhadas em diversos setores esportivos ou recreativos. A mídia os enaltece. Os avanços da medicina e da tecnologia são fomentados visando melhorar a performance desses atletas.
A violência esportiva representa o lado menos destrutivo da violência antissocial, pois a ritualiza e lhe dá uma finalidade produtiva. Isso a torna aceitável para as pessoas lidarem com a agressão instintiva e o medo, e ainda ajuda a manter um enorme mercado de trabalho voltado para atender a sua demanda por mão-de-obra, produtos e serviços.

E por fim, o terceiro tipo.

A VIOLÊNCIA ASSOCIAL
Aqui estamos tratando principalmente do HOMICIDA, do sádico, psicótico e quase sempre frio e calculista PREDADOR HUMANO. Ou, no jargão psiquiátrico, o SOCIOPATA.
Contra este elemento, leis, regras, valores, submissão ou negociação, punição ou recompensa, dor ou ameaça são totalmente INÚTEIS. Ele (ou ela) luta apenas com um propósito: MATAR. Não importa o motivo, dinheiro, ciúme, inveja, ou simplesmente ódio gratuito e prazer em tirar vidas e causar sofrimentos. Estão acima dos outros em termos de não ter limites para as suas atrocidades. São amorais e sem qualquer resquício de piedade ou remorso.
Nas cidades com mais de 1 milhão de habitantes, o risco de você eventualmente trombar com um (ou vários) destes MONSTROS é considerável... então não bastará estar em perfeita forma física, ser um campeão de MMA e/ou portar uma pistola carregada.

Se você treina, se arma e se prepara exclusivamente para enfrentar o primeiro e o segundo tipo, então sugiro que repense ONDE e COM QUEM está investindo seu tempo e recursos materiais.