quinta-feira, 29 de março de 2012

SOBRE LÂMINAS AFIADAS

Quando você está lidando com alguém armado com uma faca, nunca haverá situação igual a outra.
As variações possíveis são tão numerosas que impediriam conceber uma abordagem universal para lidar com todos os tipos de ataque com faca. Mas uma coisa é certa: qualquer que seja a estratégia e tática que você adotar, há uma grande chance de que vai acabar seriamente ferido ou mesmo morto. Como alerta lembre-se que poucos sobrevivem ilesos a um ataque surpresa de faca...

Não importa quais técnicas prediletas você tem, nenhum delas garantirá um bom resultado, mas com certeza a melhor maneira de se obter um resultado ruim é não ter técnica nenhuma (ou somente confiar em uma única) disponível. Jamais devemos colocar todos os ovos na mesma cesta quando se trata de apostar a nossa vida usando técnicas mirabolantes de alguma arte marcial fantasiosa. Para prevalecer contra uma faca, precisará ser capaz de se adaptar às possibilidades de qualquer ação que a situação oferecer em relação a ganhar o controle da arma e incapacitar seu atacante de alguma forma.

A faca é perigosa, mas o quanto ela é perigosa depende da pessoa que a empunha. Quanto maior a intenção de ferir ou matar do atacante, mais perigosa a faca se torna nas mãos dele. Seu nível de habilidade com a faca não é tão importante quanto a sua mentalidade, o que significa que efetivamente quem está psicologicamente alterado pode usar uma faca com um efeito mortal. Mais perigoso do que a faca é o atacante que a maneja, e você deve lidar com ele enquanto lida simultaneamente com a arma dele. Se você se defende de um e esquece o outro, você está assumindo um risco enorme, possivelmente fatal. Ser capaz de mudar alvos e ser multitarefa é uma capacidade valiosa para qualquer luta, mas no espaço e tempo reduzidos de um ataque de faca ser versátil e rápido não é uma opção - é uma necessidade! E o mais apropriado é você começar seu treinamento buscando conquistar essas habilidades para aumentar suas chances de sobrevivência.

MMA deveria ser a sigla em inglês para Multifunctional Martial Art, arte marcial multifuncional!

Ser um lutador multifuncional (ou multitarefa) tem mais de um significado. Você pode estar realizando simultaneamente duas ou mais manobras, ou pode estar alternando entre elas rapidamente. Você pode estar realizando uma série de ações diferentes, uma após a outra, seja para acomodar o seu objetivo original, ou porque o seu alvo está mudando velozmente. Por isso, além de ser capaz de fazer duas coisas ao mesmo tempo, você tem que ser capaz de se "desligar" de uma tarefa e rapidamente "ligar" uma outra diferente. Por exemplo, controle a mão armada do atacante e golpeie sua cabeça em determinado momento, ou em vez disso ataque o braço armado no momento seguinte, mudando caoticamente de tática. É um jogo muito rápido e incrivelmente dinâmico, e requer improvisos, senso de timing e oportunidade em termos de habilidades marciais.

Uma faca pode causar ferimentos graves ou fatais em um reduzido espaço, tempo e movimento. E é dentro dos limites deste espaço, tempo e movimento limitado que você tem que ser capaz de agir. Você deve ser capaz de ler a situação, o adversário, o cenário e as percepções visuais, auditivas e as pistas táteis que o adversário oferecer. Neste tempo, espaço e movimento reduzido, defina seus alvos, alterne metas e esteja disposto a sacrifícios.

É por isso que, como um artista marcial, praticar com e contra a faca, em muitos aspectos, apresenta um enorme desafio. Tal arma coloca à prova as habilidades em todos os níveis, pois exige que você faça tudo em um período de tempo limitado e sobre tremenda pressão, exigindo entre outras qualidades, economia de movimento, geração de impacto de curto alcance, golpes rápidos e repetitivos como disparos de uma metralhadora, e foco mental extremo. Ela lhe ensina a decifrar instantaneamente e agir de acordo com pistas visuais/táteis emitidas pelo seu atacante, apesar do perigo de ser surpreendido a todo momento. Muitas vezes a mão esquerda fará algo completamente diferente que a direita. Esse é um talento ideomotor que poucos seres humanos conseguem executar sem treinamento, e que a prática com armas brancas ajuda a desenvolver. Mesmo se você ignorar o valor da faca na defesa pessoal, aconselho que pratique com ela para melhorar seu desempenho global como atleta e lutador.

Mas cuidado com a forma como irá treinar!

Se treinar defesa com e contra armas brancas com uma abordagem estilizada e fechada estará treinando para o fracasso. Não seja como um motorista de ônibus que sempre precisa trafegar por uma determinada rota todos os dias. Ela funciona bem o suficiente quando não há engarrafamento na estrada, mas quando seu caminho é bloqueado, o ônibus acaba imobilizado e inútil. Levando essa analogia para o combate de faca, estaremos dirigindo em uma rua repleta de outros veículos, obstáculos e desvios inesperados aparecem e desaparecem de forma imprevisível e num piscar de olhos. Em uma luta de faca, você precisa ser mais parecido com um motorista de táxi que tem várias opções de rota armazenadas em sua memória, de modo que se um caminho está bloqueado, ele muda para outro caminho e ainda chega ao seu destino a tempo. No ônibus, uma vez que você está preso a uma rota previamente combinada, estará limitado e, consequentemente, vulnerável.

O conhecimento e a experiência necessários para ser como um taxista em vez de um motorista de ônibus não acontece naturalmente. É uma habilidade que se adquire fazendo, demanda investimento de tempo e exige treinamento inteligente e especializado. E uma vez que você adquire a capacidade de lidar com várias opções do jogo, em rápida mudança, o conhecimento proporcionado por essas experiências prévias não atrapalha. Pelo contrário, ele ajuda a acelerar seu aprendizado. Não tenha receio de atravancar a cabeça com muita informação, supondo que isso vá deixa-lo indeciso ou travado no momento mais crítico da crise e do confronto. Isso só acontece quando seu treinamento é baseado em teoria, demonstração e exercícios unidimensionais do tipo “se ele faz isso, eu respondo com isso...”.

A maneira que eu ensino faca é completamente diferente.

Meus treinamentos são projetados para assimilar habilidades em seu corpo, sem você ter que pensar conscientemente nisso.

Tenho praticado com lâminas e bastões desde os anos 1990, mas grande parte do material do PerCor – abreviação de PERfurar e CORtar – ministrado atualmente no MÉTODO IMOTO nasceu de minhas descobertas e pesquisas mais recentes através de um processo de ensino e experimentação com diversos tipos de lutadores e escolas de combate armado. Tenho aprimorado, testado e refinado estas metodologias com um grupo privado de praticantes. Alguns deles já foram obrigados a se proteger em situações envolvendo faca, outros não tiveram nenhuma preparação ou experiência nessa área. Na minha abordagem tanto faz se o praticante é iniciante ou avançado. Todos aprendem e praticam juntos.

A letalidade da faca é imutável e não faz concessões.

Nenhum comentário: